Segue o Loucuras por email...

sábado, 27 de dezembro de 2008

Quero ir...


Vem,
inunda-me
agita-me
trespassa-me
leva-me
e não me tragas de volta,
quero ir...
Deslumbra-me
nas tuas melodias sempre novas
encanta-me nesses prados
onde o sol vem beijar
a frescura do campo
e parte
sorrateiramente...
E , eu sento-me
quieta, sossegada
a ouvir-te...
Silêncio
que me preenches
que me levas e
não me trazes...

domingo, 21 de dezembro de 2008

A luz na escuridão...


Estavas a meu lado
E fez-se noite
de repente
A música
Desinquietou os corações
Bateram mais forte
Pulsações fora de ritmo
Interrogações...


Mas...
Já devias saber
Que comigo tudo
E imprevisível
Que gosto de pintar
O mundo
Com as cores
Que vão cá dentro
Que do nada
Gosto de fazer tudo
E...
Ser assim...
Apenas...


Mas...
Na escuridão
Há sempre uma luz
E ela apareceu
Extasiando os corações
Deixando mil exclamações
Para marcar o momento...
E tu
E eu...
Lado a lado

Foto - Desconheço Autor

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Sorriso de menino!



Guardas no teu sorriso
A candura de menino
Quando brincavas na terra
E chapinhavas na água

No tempo em que o tempo
Passava devagarinho
Entre um beijo
E um abraço de mãe!

Cresceste, menino
Mas o teu sorriso
Continua a falar
Desse tempo
Feito pedacinhos de amor
Que hoje continuas
a espalhar no
Teu sorriso de menino
Que tem saudades do mar
mas..
encontraste outros mares
e continuas mar dentro
com o teu sorriso de menino...

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Deixa-te ficar II

Deixa-te ficar
Deixa
Deixa...
Tu és a minha liberdade
Solta no mundo
Os passos que eu não posso dar
Vejo-te reflectido nas águas
No sol
No perfume das flores
Nos pássaros que voam livres
E eu
Vou com eles
Seguindo o teu trilho
Nas asas da saudade...


quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Sai de mim...


Sai de mim
E encontrei-me
No meu silêncio
Na quietude apaziguada
senti-me leve,
livre e liberta
subi mais um pouco
em mim
mas fora de mim
onde não há tempo
nem espaço
nem lágrimas
nem dor
apenas paz
e luz
que me invadiu
e me levou
para longe…
Ainda...
olhei para trás,
não queria voltar…
mas voltei,
e guardei em mim
os silêncios
que hão-de perpetuar-se
no silêncio de mim...

Deixa-te ficar!


Deixa-te ficar
Revejo-me no teu sorriso
Leio-me nas tuas palavras
Sinto-me
Quando te sentes
Choro-te
Quando te ausentas
E eu
Singela em mim
Furto o tempo do tempo
E desenho-te
No espaço que
Não é meu
Nem teu
mas, sinto-te nele
Como se nunca
tivesses partido
e continuo a ler-te
e a ler-me
em cada amanhecer...

Terra molhada...

Piso com os meus pés
A terra molhada
nas pradarias do destino
rodopio
numa dança sem fim
pinto em mim
a saudade
a esperança
de ser
de querer
ser criança
antes do amanhecer
até ao entardecer
e depois do anoitecer
serei eu
sempre e apenas eu
e continuo sulcando
o caminho
na terra molhada...




terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Equilibro-me...

Equilibro-me no silêncio

deslumbro-me nele

e fico em mim

extasiada

sentada

no limiar da minha alma

para te escutar

desgasto as emoções,

esvazio-me

ouço as palavras

que já não têm som

e eu continuo

sentada

no limiar da minha alma

a escutar-te

nesse silêncio

da noite

do luar

das palavras sem som

que ecoam

por entre os fios invisiveis

do silêncio...

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Deixo-me...


Deixo-me colorir
pelos dias
dou aos dias a cor
que flutua
que deslaça
o sentimento
de ser
de estar
de me encontrar
quando me perco
para lá de mim
quando parto de mim
sem nunca mais
me encontrar,
porque eu...
existo
num tempo
e num espaço
que não é meu...

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Ó noite...



Ó noite das feras
das aves nocturnas
dos silêncios propagados
por entre o limiar
ardente do silêncio

Ó noite...
deixa-me entrar em ti
quero ser noite
e silêncio
quero ter as feras, as aves
e o silêncio
para mim...


Quero anular-me
envolver-me
no manto escuro
adormecer
nos teus braços gelados
e desafiar o medo...


Sentir
que sou e não sou
que tenho armas
e não tenho
que tenho ser
e não tenho poder...

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Silêncio...

Deixa-me ficar a ouvir-te
parada,
quieta
descalça
como se não houvessse
mais chão
nem ar
nem pássaros a voar
ou flores a nascer...

Deixa-me ficar a ouvir-te
nesse sussurro intemporal
que me preenche
Ó Silêncio...
silêncio de silêncios
na madrugada gelada
que perpetuam a tua voz
de silêncio...


segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Mil palavras...

Mil palavras...
não chegam para
te contar
a minha felicidade

Mil palavras ...
não chegam
para te dizer como
alterei o mundo
anulei o espaço
e o tempo
e te trouxe até mim
naquele momento sagrado
em que até os astros
fizeram festa!

Mil palavras...
perderiam o som
perto do som
do sentimento
daquele momento...

Mil palavras
serão muitas
mas só uma
te pode dizer o que sinto...
A M O -T E!


domingo, 7 de dezembro de 2008

Guarda-o!


Guarda o abraço
esse que te dei
naquele momento sagrado!
Como se não houvesse
mais mundo
sorrimos num abraço
das palavras
verdadeiras
partilhadas
pelo calor desse abraço,
que guardo
envolto nas palavras
envolto no meu mar
que fico
a ouvir
devagar
devagarinho,
como se o tempo
não o pudesse levar
e a memória jamais
apagar...


Foto - Descohneço Autor

Anda Sonhador!

 

Nós dois,
sonhadores
perfilados
lado a lado.

O sonho era meu
mas tu sorriste para ele
sei que o amaste
com a mesma doçura
que o amarias
se ele fosse teu


Anda sonhador
alquimista da vida...
arquietcto do sentir,
pintor das emoções...
vamos continuar
a sonhar o mundo
a escalar montanhas
a tirar as máscaras...


E a mostrar ao mundo,
que somos sonhadores!