Segue o Loucuras por email...

quinta-feira, 30 de agosto de 2007

Saudades...

Na distância
vislumbro as muralhas da saudade
e passeio-me entre as esfinges
do pensamento,
quando o grito mudo, parado
corta a barreira do som
e as palavras desfazem-se,
perdem-se, esvaziam-se
deixam de ser para existir
quando as encontro
no silêncio feito calma
na candura
do teu olhar...

Foto - Brites dos Santos

15 comentários:

Mestre disse...

Palavras para quê?
Um beijo terno de...Mestre

Delfim Peixoto disse...

Li e gostei!

Menina do Rio disse...

A minhas palavras perdem-se nesse silencio de saudades...

.:mÁrCiO:. disse...

Sem palavras perante esta imensidão...
... porque tudo o que pode ser dito, é coberto por tamanhas palavras!

Abraço fechado

Som Do Silêncio disse...

Em Silêncio li...
Em Silêncio parti...

Deixo um Beijo Saudoso...

Alexandre disse...

Silêncio feito calma... todos os silêncios deveriam ser sinónimo de calma e muitos são!

Saudades do... futuro!!!

Muitos beijinhos!!!

pe.cl disse...

E o silêncio torna-se o mais belo dos discursos... que o teu silêncio transforme o mundo como a força das tuas palavras...

Lusófona disse...

Ou Linda!

O teu blog está cada vez mais cheio de magia!

Beijinhos e um maravilhoso fim de semana

Sol da meia noite disse...

Palavras encontradas no silêncio...

São sempre palavras sentidas...

Beijinhos!!!

Amor disse...

si pudiera acompañarte en esa playa, tu saudade se tornaría en felicidad y

amor

:-)

Nilson Barcelli disse...

Não terá a força doutros poemas teus que já li, mas a suavidade que brota das palavras definirá, um pouco, a sua autora (acho eu...).
Gostei, claro, é mais um poema muito bem escrito.
Bfds, beijinhos.

NETMITO disse...

lINDO!

BOM FIM DE SEMANA E BEIJINHOS*

Jac C. disse...

Vc tem muito bom gosto, tto na escolha das palavras como das imagens.
Bjs.

celtaj disse...

... los gritos mudos...
Tantos gritos mudos...
Aquí, en tu blog, se deshacen y se evaporan... buscando la paz.

Un abrazo, mi loca del alma.

Rui disse...

Este poema tem tudo menos silencio.
As palavras dançam pelos sons da esperança de ser cada palavra... um grito a um olhar de candura.
Assim esse olhar ouça este encontro com a saudade.