Segue o Loucuras por email...

quarta-feira, 9 de abril de 2008

Mansão do silêncio...



Na mansão do silêncio
Oiço a minha voz interior
Encontro-me comigo
Dispo-me de mim
E sinto-me flutuar
Silenciar
Na linha ténue do silêncio
Que vai e volta
Como uma balada que perdura
Feita silêncio de silêncios
Que escorre pelas paredes da mansão…

Arrisco os meus passos silenciosos
Que desenham uma dança
Feita gotas de silencio
E eu...
Paro...
Silenciosamente
adormeço de mim
Mas...
Desperto com o som do silêncio
Que me inunda
Que silencia em mim
Todas as vozes
Para ouvir o silêncio
Feito pedaços de luz
Que me iluminam
Na mansão do silêncio...


5 comentários:

Alma Nova disse...

Recebi o teu convite...e aqui estou, nesta bela mansão silenciosa, onde impera o som do silêncio da alma, quando o aprendemos a escutar. Lindo, amiga!

de dentro pra fora.... disse...

Também gosto de entar nessa mansão,..de vez enquando,sabe bem..vêr-me ..ouvir-me...sentir-me..e encontrar essa luz, que me guia...que me ilumina...




PS:convidas-te,...eu aceitei..
gostei da tua "casa"

Nilson Barcelli disse...

Tal como tu, também fui participante do 1º jogo das 12 palavras do Eremita.
Depois de ler o teu texto, resolvi dar aqui um saltinho para te dizer que gostei. Aliás, todas as participações são muito boas e algumas até são excelentes.

E este poema, esta tua "Mansão do silêncio...", é um excelente poema.

Bfs, beijinhos.

PS: ainda bem que continuas com este blogue...

Benó disse...

Lindo este teu poema. Mostra-nos paixão,e embora fale de silêncios ele fala-nos alto, de alguém sensível e apaixonado, tal como no poema com que participaste no jogo das 12 palavras.
Parabéns!

eremita disse...

de facto o poema deixa pasar o eco do silêncio.
Fraterno abraço